ᐈ Como Devemos Agir para Que não haja Doutrinações seja Religiosa, Política, Ideológica, nas Escolas?

Como Devemos Agir para Que não haja Doutrinações seja Religiosa, Política, Ideológica, nas Escolas?

Quando eu era criança, meu pai costumava me dizer que a maioria da política se resumia aos ricos virando os pobres contra os inteligentes. Fui lembrado mais uma vez que ele provavelmente estava certo quando li o recente ensaio de Kim Phillips-Fein no The Chronicleon a história dos ataques da direita ao ensino superior. Ela detalha um século de acusações e bode expiatório, mostrando que os provocadores de direita de hoje continuam uma tradição quase tão antiga quanto a própria universidade americana.

Uma das acusações mais persistentes contra os acadêmicos é que somos culpados de doutrinação. Phillips-Fein cita Jordan Peterson acusando os professores de "doutrinar mentes jovens com sua ideologia carregada de ressentimento". No ano passado, em seu livro The Diversity Delusion, Heather Mac Donald acusou as faculdades e universidades de produzir graduados que "trazem sua doutrinação de alta-teoria com eles para as burocracias federais e estaduais e para as salas de redação". Uma busca no Google de "universidades de doutrinação" traz à tona inúmeros sites de direita empurrando reivindicações semelhantes.

Eu cito esses críticos não porque eu acho que eles pintam um quadro preciso - pelo contrário, eu acho que é uma caricatura fantasiosa - mas porque a acusação reflete o fato de que aparentemente todos, de todas as convicções políticas, concordam que os instrutores devem evitar doutrinar seus alunos. Mas o que é exatamente doutrinação? E como evitá-la?

Indoctrinação e educação costumavam ser sinônimo de doutrinação. O dicionário Webster de 1913 define a doutrinação como "instrução nos rudimentos e princípios de qualquer ciência ou sistema de crenças". Já estava bem no século 20 antes que a palavra assumisse conotações negativas. Hoje, embora saibamos que a doutrinação é ruim, o conceito é muitas vezes definido de forma difusa.

Em 2017, buscando definir melhor a missão do instrutor, desenhei algumas diretrizes para lidar com questões políticas na sala de aula. "Não é nosso trabalho mudar as crenças de nossos alunos", escrevi. Mas é claro que tentamos influenciar as crenças de nossos alunos, o tempo todo - e com toda a razão. E se eles acreditarem que a gravidade não se aplica a pessoas baixas? Ou que os elétrons pesam mais que os prótons? Certamente um dos objetivos da educação é ajudar os estudantes a se adaptarem melhor às crenças da realidade.

Escrevendo em 2009, os filósofos Eamonn Callan e Dylan Arena observaram que a doutrinação "como o nome de uma espécie de ensino moralmente repreensível, não tem mais do que limites conceituais aproximados". Desde então, vários filósofos da educação tentaram traçar esses limites de forma mais nítida e surgiu um amplo consenso. Para doutrinar os alunos em uma sala de aula, Rebecca M. Taylor escreve, são necessárias duas condições essenciais:

  •     Primeiro, que usemos nossa autoridade.
  •     E segundo, que promovamos a adoção de uma crença de mente fechada.


Como professores, temos tanto autoridade intelectual (a percepção dos alunos de que somos especialistas) quanto autoridade prática (o poder - em virtude de nossa posição - de estabelecer notas, impor regras, etc.). Não há dúvida de que temos esse poder, em diferentes graus. Não podemos fugir do fato de nossa autoridade; só podemos escolher como usá-la. Para evitar a doutrinação, é necessário que permaneçamos conscientes de nossa autoridade sobre os estudantes, para que não abusemos de nosso poder e não infrinjamos sua autonomia.

A doutrinação não é apenas a promoção de certas crenças em nossos estudantes; é um esforço para mudar suas crenças e incutir um medo ou relutância em considerar evidências conflitantes. A indocrinação, escreve Taylor, produz estudantes que não têm motivação para buscar o conhecimento por si mesmos. Eles se tornam "agentes de mente fechada", seja porque são intelectualmente arrogantes (eles minimizam o potencial que poderiam estar errados) ou intelectualmente servil (eles desconfiam de suas próprias capacidades intelectuais e, portanto, adiam e confiam em outra autoridade).

Claramente, qualquer um dos resultados é ruim. Como instrutores, estamos procurando ajudar os estudantes a serem mais confiantes, competentes e informados. A arrogância e o servilismo trabalham contra esses objetivos.

Então, como nos precavemos contra a doutrinação? Como nos certificamos de não encorajar a mente fechada?

Concentrando-nos em seu oposto - abertura de mente e humildade intelectual - e modelando nós mesmos essas virtudes intelectuais. Se admitirmos quando estamos errados, discutirmos nossos fracassos e deixarmos os alunos saberem quando estamos inseguros sobre algo, podemos nos proteger contra a mente fechada de duas maneiras:

  •     Primeiro, modelando o tipo de humildade que esperamos que os estudantes adotem, os encorajamos a aspirar a ser algo mais do que intelectualmente arrogantes. Mostramos que a melhor maneira de abordar qualquer atividade acadêmica é com uma mente aberta.
  •     Em segundo lugar, ao derrubarmos uma ou duas cavilhas, desencorajamos os estudantes de nos verem como uma autoridade onisciente, alguém a quem se adiar em todos os momentos. Como o professor de filosofia Loyola Marymount Jason Baehr escreve em seu guia para ensinar as virtudes intelectuais, "Quanto mais 'fortes' somos, mais fracos eles podem se sentir e, portanto, mais relutantes podem estar em assumir os tipos de riscos intelectuais ou em se engajar em maneiras cruciais para seu próprio desenvolvimento intelectual". Em vez disso, ao admitir em sala de aula que não temos todas as respostas, podemos ajudar os estudantes a desenvolver a confiança para admitir quando estão inseguros, e a autonomia para fazer algo a respeito dessa incerteza.


O próximo passo: Proporcionar oportunidades em sala de aula para que os alunos pratiquem a abertura de espírito. Exponha-os regularmente a múltiplas perspectivas, mesmo aquelas com as quais discordam. Nesta linha, Baehr organiza debates em classe nos quais os alunos argumentam, da maneira mais convincente possível, contra a visão que realmente têm. Esse tipo de exercício de dramatização mostra aos alunos que sua própria visão é apenas uma de muitas, e que todos têm razões para acreditar no que fazem.

Mas esse tipo de exposição a múltiplas perspectivas não é uma receita para o bothsidesismo - a idéia de que todos os lados de um debate são igualmente viáveis? Não ensina aos estudantes que não há maneira de resolver a verdade? Que algumas pessoas pensam assim, e outras pensam assim, e isso é o máximo que podemos estabelecer?

Não creio que seja necessário. Não estamos procurando ensinar aos estudantes que todas as perspectivas possíveis sobre uma questão são igualmente verdadeiras. Ao contrário, precisamos ensiná-los a basear suas conclusões em argumentos e evidências - mesmo que essas evidências entrem em conflito com suas crenças anteriores.

Ensinar indutivamente - isto é, fazendo com que os estudantes se envolvam na solução de problemas ou estudos de caso e pedindo-lhes para induzir princípios gerais a partir do que aprendem - pode ajudá-los a praticar esta habilidade crucial. Se você ensina escrita argumentativa, enfatize que uma declaração de tese deve mudar como as evidências mudam. Se você ensina a história da ciência, destaque os momentos em que nossa compreensão do mundo mudou porque as evidências mudaram.

O oposto de uma mentalidade fechada não é um vazio pós-moderno no qual não existe tal coisa como a verdade. Não, o oposto da mente fechada é a mente aberta - na qual buscamos a verdade, mas reconhecemos que podemos estar errados.

Enfatizar a mente aberta e a humildade intelectual pode ajudar a garantir que você não vai doutrinar os estudantes, mesmo em assuntos sobre os quais você se sente fortemente. É claro que você tem opiniões políticas, e os estudantes sabem disso. Você pode dizer aos seus alunos, como eu faço aos meus, que você trabalhará para garantir que suas opiniões não influenciem sua avaliação do progresso deles no curso.

Mas também é importante dizer-lhes - e mostrar-lhes - que o conteúdo de suas crenças é muito menos importante para você do que o processo que eles tomaram para chegar a essas crenças. Eu digo aos meus alunos que, tecnicamente, não me importo com o que eles pensam; eu só me importo com a maneira como eles pensam.

ARTICLE CREDITS- David Gooblar is a lecturer in the rhetoric department at the University of Iowa. He writes about teaching for Vitae and runs the teaching website Pedagogy Unbound .com. 

 

Espero que goste deste artigo em Como Devemos Agir para Que não haja Doutrinações seja Religiosa, Política, Ideológica, nas Escolas?

Comments

Popular posts from this blog

▷ 75+ Mensagens de Boa Noite Carinhosa com Imagens

▷ 80+ Mensagens de Boa Noite com Carinho para Whatsapp

ᐈ 163+ Mensagens de Boa Noite Amor para Whatsapp com Imagens